Confederação do Equador

Confederação do Equador
Ilustração do exército imperial atacando as forças da Confederação do Equador no Recife, em 1824.

A Confederação do Equador teve como contexto a crise do açúcar e o consequente deslocamento do eixo econômico do Brasil para o Sudeste, realidade que fez com que o Nordeste brasileiro tenha passado por um período de crises de abastecimento e pouco crescimento. Tal situação, aliada à alta carga tributária cobrada pelo Império, gerava uma significativa insatisfação popular.

Entretanto, o autoritarismo de D. Pedro I foi o principal motivo para o início de um movimento separatista na região. A dissolução da Assembleia Constituinte e a consequente outorga da Constituição de 1824, a qual dava poderes absolutos ao imperador, gerou grande revolta na província de Pernambuco. No mesmo ano, seu governador, Manuel de Carvalho Pais de Andrade proclamou a Confederação do Equador. Os nordestinos acreditavam que o Rio de Janeiro havia se transformado em uma nova Lisboa.

Sob os fundamentos da Constituição colombiana, o novo Estado adotaria um regime liberal e republicano, isto é, seria firmado um governo representativo e dado grande autonomia às províncias. Por ser um movimento que contava com a participação das lideranças de Pernambuco, o mesmo logo tomou proporção, ganhando a adesão das províncias do Rio Grande do Norte, Ceará e Paraíba.

As primeiras ações da Confederação do Equador foram bastante radicais. Seus líderes, Frei Caneca, Cipriano Barata e Emiliano Munducuru acreditavam que era necessária a adoção de reformas sociais urgentes. Uma destas mudanças foi a abolição da escravatura, o que, de fato, não agradou às elites que apoiaram o movimento.

Não é preciso dizer que tal fato enfraqueceu a Confederação do Equador, a qual não foi capaz de resistir às forças imperiais. D. Pedro I pediu empréstimos à Inglaterra e contratou mercenários ingleses para sufocar o movimento. Sob o comando do brigadeiro Francisco de Lima e Silva e do Lord Cochrane, as forças imperiais conseguiram dar um fim ao mesmo. Dezesseis envolvidos foram condenados. Frei Caneca acabou sendo fuzilado.

Saiba mais: Constituinte de 1823

Deixe um comentário

avatar