Abolição da Escravatura

Abolição da Escravatura
A abolição da escravatura: quadro de Auguste François Biard (1798-1882).

A consciência antiescravista cresceu após a proclamação da Independência, pois se acreditava ser impossível construir uma nação livre se a população permanecesse dividida em classes tão opostas. A Inglaterra, maior traficante de escravos da história, aboliu a escravidão nas colônias em 1833, uma vez que o advento do capitalismo exigia mais e mais mercados consumidores, tornado necessária a contratação de trabalhadores assalariados.

Em 1831, os ingleses passaram a pressionar o Brasil com a primeira lei antiescravista, a qual proibia o tráfico negreiro. Embora a medida não tenha sido eficaz, alguns navios passaram a serem interceptados. Quando isso acontecia, lançavam os escravos em alto mar para eliminar a prova do crime.

Em 1845, o Parlamento inglês aprovou a lei Bill Aberdeen, a qual permitia à esquadra inglesa prender navios escravos e julgar os tripulantes como piratas. Embora o Brasil tenha relutado, cedeu à Lei Eusébio de Queirós, de 1850, que reafirmou a proibição do tráfico de 1831.

Com a abolição do tráfico, o dinheiro envolvido passou a ser investido em outras atividades. Dada a resistência dos proprietários rurais, o fim do trabalho escravo ainda era algo distante, apesar dos movimentos abolicionistas terem quebrado a disciplina nas senzalas. Em seguida vieram a Lei do Ventre Livre, de 1871, a qual declarava livres os filhos de escravas nascidas a partir desta data, e a Lei dos Sexagenários, que libertava os escravos maiores de 60 anos.

Mas somente em 13 de maio de 1888, com a Lei Áurea assinada pela princesa Isabel é que finalmente tivemos a abolição da escravatura.

Saiba mais: Independência do BrasilEconomia AçucareiraPlantation

Deixe um comentário

avatar