Jesuítas

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+

Jesuítas
Evangelho nas Selvas (Padre Anchieta), por Benedito Calixto (1893)

Após o surgimento da Reforma Protestante, movimento reformista cristão iniciado por Martinho Lutero no início do século XVI, a Igreja Católica procurou reagir e criar formas de tentar barrar o avanço do protestantismo no mundo, processo este conhecido como Contrarreforma. Uma das consequências deste movimento foi a criação da Companhia de Jesus, ordem religiosa que tinha o fim de enviar padres missionários – os jesuítas – a diferentes partes do mundo, buscando a disseminação da fé católica pelas regiões recém-descobertas.

Os jesuítas chegaram ao Brasil em março de 1549, durante o governo do primeiro governador-geral, Tomé de Souza. Além de tentarem passar os valores religiosos do catolicismo, os religiosos também acabavam submetendo as populações indígenas à cultura, língua e costumes europeus, inibindo, de certa forma, as tradições dos povos nativos.

Mesmo tendo o apoio financeiro da Igreja Católica, os jesuítas desenvolviam atividades agrícolas e utilizavam a mão-de-obra indígena. Tal realidade acabou resultando em diversos conflitos entre os religiosos e os bandeirantes, que viam na venda de escravos indígenas uma boa fonte de lucros.

De fato, os jesuítas desenvolveram um significativo trabalho educacional, tendo sido responsáveis pela criação dos primeiros colégios do Brasil, uma vez que, para converter os índios ao catolicismo, era preciso ensiná-los a ler e a escrever. Além dos cursos elementares, foram sendo criados cursos secundários (Letras e Filosofia) e até de nível superior (Teologia).

Embora inicialmente os jesuítas tivessem o apoio da Coroa, com as mudanças ocorridas no Brasil Colônia e a reconfiguração dos interesses de Portugal, tal apoio acabou dando lugar para o início de conflitos. Essa disputa de interesses atingiu seu ápice durante as Guerras Guaraníticas, conflito travado entre Portugal e Espanha contra índios e jesuítas durante os anos de 1754 a 1760 pelo controle do aldeamento de Sete Povos das Missões. Tal conflito foi suficiente para o estadista português marquês de Pombal, em 1760, sob a alegação de conspiração contra o reino, ordenar a saída dos jesuítas do Brasil e a confiscação de seus bens.

Entre os principais padres jesuítas, pode-se destacar Manoel da Nóbrega, José de Anchieta e Antônio Vieira.

Saiba mais: Reforma ProtestanteContrarreforma

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *