História da Geografia

Geografia

Os gregos foram os primeiros a explorar ativamente a Geografia como ciência e filosofia, sendo os maiores contribuintes Tales de Mileto, Heródoto, Eratóstenes, Hiparco, Aristóteles, Estrabão e Ptolomeu. Durante a Idade Média, árabes como Edrisi, Ibn Battuta e Ibn Khaldun aprofundaram e mantiveram os antigos conhecimentos gregos. As viagens de Marco Polo espalharam pela Europa o interesse pela Geografia. Durante a Renascença e ao longo dos séculos XVI e XVII, as grandes viagens de exploração reviveram o desejo de bases teóricas mais sólidas e de informações mais detalhadas. A Geographia Generalis, de Bernardo Varenius, e o mapa-múndi de Gerard Mercator são exemplos importantes disso.

Durante o século XVIII, a Geografia foi sendo discretamente reconhecida como disciplina e tornou-se parte dos currículos universitários. Ao longo dos últimos dois séculos, a quantidade de conhecimento e o número de instrumentos aumentaram enormemente. Há fortes laços entre a Geografia, a Geologia e a Botânica.

No Ocidente, durante os séculos XIX e XX, a disciplina geográfica passou por quatro fases importantes: determinismo geográfico, geografia regional, revolução quantitativa e geografia radical.

O determinismo geográfico defendia que as características dos povos se devem à influência do meio natural. Deterministas proeminentes foram Carl Ritter, Ellen Churchill Semple e Ellsworth Huntington. Hipóteses populares como “o calor torna os habitantes dos trópicos preguiçosos” e “mudanças frequentes na pressão barométrica tornam os habitantes das latitudes médias mais inteligentes” eram assim defendidas e fundamentadas. O determinismo foi uma teoria reducionista do pensamento do alemão Friedrich Ratzel, que dizia que o meio influencia, mas não determina o homem. É muito provável que esssa teoria tenha sido criada por políticos e militares de uma classe hegemônica-dominante-europeia para justificar a exploração em suas colônias.

A Geografia Regional representou a reafirmação de que os aspectos próprios da Geografia eram o espaço e os lugares. Os geógrafos regionais se dedicaram à recolha de informação descritiva sobre lugares, bem como aos métodos mais adequados para dividir a Terra em regiões. As bases filosóficas foram desenvolvidas por Vidal de La Blache e Richard Hartshorne.

A revolução quantitativa foi a tentativa se redefinir a Geografia como ciência, no renascer do interesse que se seguiu ao lançamento do Sputnik, expedição que enviou o primeiro satélite artificial da Terra. Os revolucionários quantitativos, frequentemente referidos como “cadetes espaciais”, declaravam que o propósito da Geografia era o de testar as leis gerais do arranjo espacial dos fenômenos. Adotaram a filosofia do positivismo das ciências naturais e se voltaram para a Matemática – especialmente a estatística – como um modo de provar hipóteses. A revolução quantitativa fez o trabalho de campo para o desenvolvimento dos sistemas de informação geográfica.

Apesar da perspectiva positivista ter continuado importante, a Geografia Radical surgiu como uma crítica ao positivismo. O primeiro sinal do surgimento da Geografia Radical foi a Geografia Humanista. Mais influente foi a Geografia Marxista, que aplicou as teorias sociais de Karl Marx e de seus seguidores aos fenômenos geográficos.

4
Deixe um comentário

avatar
3 Comment threads
1 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
4 Comment authors
samuel de o.silvaanderson ribeiroHistória de TudoFabiane Recent comment authors
mais recentes mais antigos mais bem votados
samuel de o.silva
Visitante
samuel de o.silva

gosto muito das aulas de geografia

anderson ribeiro
Visitante
anderson ribeiro

faltou mencionar o possibilismo, uma corrente de pensamento francesa, que surgiu em oposição ao determinismo alemão

Fabiane
Visitante
Fabiane

Olá, eu poderia saber o nome do autor do texto, pois queria incluir como referencia bibliográfia de um trabalho. Obrigada!