História do Ecstasy

Ecstasy

O ecstasy (metilenodioximetanfetamina), também denominado MDMA, é uma droga sintetizada (feita em laboratório). Entre seus principais efeitos, podemos citar a criação de uma sensação anormal de euforia e bem-estar, além do aumento da capacidade física e mental do indivíduo e do interesse sexual. Buscando tais efeitos, muitos jovens fazem o uso da droga em festas e boates.

A história do ecstasy se inicia em 1912, quando a empresa farmacêutica Merck sintetiza a substância pela primeira vez. Em 1914, a mesma patenteou o MDMA para ser usado como um inibidor do apetite, algo que nunca aconteceu de fato. Em 1960, a substância chamou a atenção da comunidade científica, passando a ser empregada em psicoterapias como um elevador do estado de ânimo.

Foi na década de 70 que a droga começou a ser consumida de forma recreativa, principalmente entre jovens que frequentavam danceterias e festas noturnas. Nessa época, a substância ficou conhecida como “a droga do amor”, uma clara referência à sua propriedade de aumentar o interesse sexual dos indivíduos. Ao longo da década de 80, o ecstasy já havia ganhado grande popularidade nos Estados Unidos e na Europa, especialmente na Inglaterra e Holanda, apesar de sua proibição em 1977, no Reino Unido, e em 1985, nos EUA.

Os efeitos indesejáveis mais comuns que o ecstasy provoca no usuário são o aumento da tensão muscular, insônia e a perda de apetite. Em longo prazo, a droga pode causar alucinações, depressão, paranoia, entre outras complicações.

One comment

  1. Legal o site, gosto de conteúdos relevantes como esse daqui. Li mais sobre o assunto em http:// ano70.com.br /ecstasy-nos-anos-70-surgimento-e-consumo/. Continuem com o bom trabalho.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *