Cruzadas

cruzadas
As Cruzadas eram expedições que pretendiam retomar Jerusalém do domínio muçulmano.

Após os turcos muçulmanos terem conquistado a Palestina em 1071, estes proibiram a peregrinação dos cristãos europeus à Terra Santa, lugar onde Jesus nasceu. Indignado com tal situação, o Papa Urbano II fez um apelo para que os cristãos combatessem os inimigos do cristianismo e reconquistassem Jerusalém. Com a crença de que o fim dos tempos estaria próximo, os nobres cristãos europeus logo aceitaram o desafio e passaram a realizar expedições de caráter militar e religioso com o fim de tirar tal região do domínio muçulmano. Eram as famosas cruzadas.

No entanto, além da função religiosa, essas expedições tinham um claro interesse econômico por trás. Muitos nobres desejavam as riquezas e terras do Oriente e os comerciantes ansiavam o comércio dos artigos de luxo da região. A Primeira Cruzada (1096-1099) era formada por um grande grupo de nobres muito bem equipados para a guerra, o qual foi capaz de conquistar Jerusalém. Entretanto, a cidade rapidamente foi retomada pelos muçulmanos. A Segunda Cruzada (1147-1149) foi desestabilizada pelo desentendimento entre seus dois líderes: o rei Luís VII da França e o imperador Conrado II, do Sacro Império.

Liderada por Ricardo Coração de Leão, rei da Inglaterra, a Terceira Cruzada (1189-1192) teve um significativo resultado: embora não fora capaz de tirar Jerusalém das mãos dos turcos, resultou na elaboração de um acordo, no qual passou a ser permitida a peregrinação à cidade. A Quarta Cruzada (1201-1204) foi impulsionada claramente pelo interesse comercial, uma vez que os cristãos saquearam Constantinopla, e não o Egito, como havia sido proposto pelo Papa.

A Cruzada das Crianças (1212) foi uma grande barbaridade. Com base na crença de que somente as crianças, seres de coração puro, poderiam reconquistar Jerusalém, foram enviadas cerca de 50 mil crianças para o “combate”. O resultado não poderia ser outro: muitas morreram antes mesmo de chegar ao destino e outras foram feitas de escravas.

Embora as Cruzadas tivessem sido relativo fracasso, já que não atingiram seu objetivo principal, acabaram resultando em significativas e importantes mudanças socioeconômicas em toda a Europa. Por meio do contato com o Oriente, os europeus assimilaram novas técnicas de produção e estabeleceram novas rotas comerciais, aspecto que futuramente resultaria no declínio do feudalismo.

Saiba mais: FeudalismoA Igreja na Idade Média

Deixe um comentário

Seja o Primeiro a Comentar!

avatar
wpDiscuz