História da Caneta

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+

Caneta

Certamente, a escrita foi uma das mais importantes descobertas do homem. A capacidade de registrar o pensamento permitiu uma inédita difusão do conhecimento, não só entre indivíduos, mas também por gerações. Contudo, para a aplicação deste grande avanço, naturalmente era necessária a criação de certos instrumentos.

Na escrita cuneiforme, tipo criado pelos babilônicos, pedaços pontiagudos de madeira ou osso eram usados para traçar os escritos, marcando permanentemente os blocos de argila onde eram feitos. Algum tempo depois, os egípcios desenvolveram o papiro, a primeira forma de papel. Consequentemente, era preciso a criação de algo para se escrever mesmos. Assim surgiu a ideia de se utilizar ossos molhados em tintas vegetais. Durante muitos anos, as penas de ganso foram as principais formas de se escrever. Somente no final do século XVIII é que pensaram na substituição de tal instrumento por um objeto manufaturado, resultando na criação das penas de metal, as quais obtiveram relativo sucesso na época, embora as penas de ave continuassem a ser usadas.

Durante o século XIX, vários estudiosos tentaram desenvolver uma espécie de caneta com tinta em seu interior, o que chamamos hoje de caneta tinteiro. Em 1884, Lewis E. Waterman patenteou tal invenção.

As canetas esferográficas, principal modelo usado atualmente, surgiram em 1937 por meio do húngaro Ladislao Biro, o qual se baseou em uma caneta que não borrava e cuja tinta não secava no depósito, realidade constatada durante o uso das velhas canetas-tinteiro.

Vendo o fato de tais canetas serem mais resistentes que as convencionais e funcionarem em grandes altitudes, onde há menos pressão, o governo britânico comprou os direitos da caneta patenteada para que pudesse ser utilizada pela tripulação da Força Aérea Real. Assim, a caneta Biro ganhou grande notoriedade, tendo sido grandemente utilizada pelos militares britânicos durante a Segunda Guerra Mundial.

Contudo, pode-se dizer que a popularização das canetas esferográficas se deu em 1945, por meio do francês Marcel Bich, o qual desenvolveu um novo processo de fabricação dos objetos, capaz de reduzir grandemente os custos de produção e os preços finais repassados aos consumidores. Bich deu a estas canetas o nome “BIC”, uma abreviação de seu sobrenome. Com anúncios e propagandas ousadas na TV, o sucesso das canetas BIC foi quase que imediato, se arrastando até os dias de hoje.

Saiba mais: EgípciosBabilônicosSegunda Guerra Mundial

1 Response

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *